Hora Certa

sábado, 17 de outubro de 2009

Uma postagem especial

O QUINTAL DAS QUATRO CASAS

As paredes brancas manchadas de mofo, machucadas pelo tempo são de uma beleza misteriosa, escondem por entre as frestas lascadas a história de muitas vidas. Poderia dizer que são duas casas, mas prefiro dizer que são quatro, pois embora grudadas são completamente distintas como as vidas que protegem.
As quatro casas são assim: serenas, poderosas, frágeis e infinitamente tristes. O motivo não quero descobrir, só sei que risos se ouve muito pouco. Talvez tenha sido os anos que tenham deixado suas almas preocupadas demais. Me pergutariam, se pudessem: mas casas tem alma? Se eu pudesse responder diria: sim, as almas são protegidas por suas paredes.
As quatro casas são assim: um misto de ilusão, de alegria, de tristeza e porque não dizer de caminhos abertos e fechados. Suas portas e janelas obedecem suas almas. Umas gostam da luz, outras gostam da escuridão...
Mas tenho uma certeza: elas gostam de seu quintal. Sim, as quatro casas tem um quintal grande, onde a vida está por toda parte. Sementes brotam da terra como querendo agradar, enfeitar as paredes mofadas, o aspecto sombrio das majestosas casas brancas. As plantas crescem, as flores nascem, a velha laranjeira teima em continuar dando frutos, que caem esquecido apodrecendo na terra que tudo aceita. Uma roseira faz contraste com o muro cheio de limo verde, são rosas vermelhas plantadas por alguém apaixonado pela beleza. Cebolas, sálvia com suas flores delicadas, salsinhas se mostram como um apelo nostálgico de que ainda é possível encontrar a felicidade dentro das quatro casas.
O quintal tem terra boa, onde tudo que se planta cresce. Ele é o palco para os muitos passarinhos que todas as manhãs acordam as almas das quatro casas brancas e mofadas.
Roupas secam no varal, mostram que as quatro casas abrigam em suas paredes envelhecidas, vidas de todas as idades.
É... ainda resta esperança para as casas que têm como bem maior um quintal vivo, onde a vida e a morte imperam donas do tempo.






















Nenhum comentário:

Arquivo do blog